Precisamos aceitar que os amigos se vão

Todo mundo já ouviu e sentiu na pele a verdade daquela famosa frase: “A gente só dá valor, quando perde”. Mas e o contrário? Já sentiu?

Você já partiu ou viu alguém partir e notou como o número de amigos diminuiu? Já se deu conta de que aquilo não era uma amizade verdadeira graças à distância? Ou simplesmente porque você mudou ao longo do tempo e enxergou que as suas crenças não batiam mais com a de um certo alguém ou até de muitos.

Acho que todas as pessoas que eu conheço que já moraram fora por pouco ou muito tempo sentiram isso. Eu sinto isso. A gente sempre acha que sabe quem são os amigos verdadeiros, aqueles que podemos contar não importa o que aconteça, que estão sempre lá pra nós quando precisamos sair e conversar… A gente sempre acha. Mas aí a gente muda, não tem mais tanto tempo ou interesse em manter mil conversas pra atualizar a todos sobre as nossas vidas e parece que aquela pessoa também não se importa muito, que quer cobrar algo que você não pode dar… As visões são outras, o papo não flui mais e a pessoa desaparece da sua vida como se nunca tivesse existido.

É claro que existem os dois lados da moeda. Assim como nos surpreendemos negativamente com muitas pessoas, a surpresa pode ser positiva! Hoje, de longe, algumas amizades que eram “apenas amizades”, hoje são as amizades importantíssimas em minha vida. Pode ser aí que vemos quem realmente se importa conosco, que não liga nem pra distância, nem pra dificuldade que você está passando. Tem pessoas que simplesmente estarão lá pra você sempre que você precisar. Na felicidade ou na tristeza, literalmente. Assim como você estará pra elas, é claro.

De uma forma ou de outra, me peguei pensando sobre amizades esses dias. Tanto nas que ficam, como nas que já foram e nas que eu sinto que estão indo mesmo eu não aceitando a realidade. Admito que fico triste em pensar que algumas pessoas que eu tanto amava e me importava, não fazem mais parte da minha vida. Sabe amizade de irmão? Aquela pessoa que você não tem medo de ser você mesmo, que conta tudo e parece que a pessoa te lê sem você precisar falar nada? É foda.

Mas a vida é assim. E tanto um, como o outro, sempre se lembrarão da amizade que tiveram. Tem gente que não é destino, né? É parte do caminho… E com tantas amizades que ficam e se vão, eu aprendo. Tenho pessoas na minha vida que conheci há 15 anos, assim como tenho outras que conheci há menos de 1 ano. A importância de cada uma é igual, tem gente que conhecemos hoje e parece que conhecemos há décadas.

Hoje consigo aceitar melhor que as pessoas mudam, inclusive nós mesmos. Nós mudamos e o que parecia essencial ontem, hoje pode não ser nada demais. Muitas vezes, quando pensamos que o outro se foi porque quis, na verdade fomos nós mesmos que o afastamos. O que não devemos é permanecermos agarrados em algo que não vai mais pra lugar nenhum em nossas vidas.

Aos que ficaram e aos que se foram, obrigada.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s